A IMPORTÂNCIA DO FOGÃO SOLAR

9 Motivos de Cozinhar Solar é essencial durante uma crise global de Saúde (e além) por Tom Sponheim 1. Cozinhar solar reduz a exposição ao fumo de lenha e carvão usado para cozinhar e, portanto, reduz a tensão respiratória e o risco de doença respiratória. Aproximadamente um milhão de pessoas morrem de pneumonia de culinária de incêndios todos os anos. Pessoas com doença respiratória são consideradas alto risco de contrair COVID-19. 2. Cozinhar solar reduz o risco de exposição e propagação de doenças porque reduz a necessidade de sair de casas para reunir ou trocar por cozinhar combustível. Por exemplo, as fogões solares já estão nas mãos de muitas das famílias de refugiados no Camp de Refugiados Kakuma, Quênia, graças aos apoiantes do SCI, reduzindo a necessidade de obter combustível adicional de culinária. 3. Cozinhar solar aumenta a independência energética. Com uma panela solar, as pessoas são menos dependentes de cadeias de abastecimento, empresas de utilidade ou têm renda para cozinhar. Energia solar gratuita é entregue diretamente à casa de todos os dias ensolarados. 4. Solar Cookers International conecta líderes globais comprometidos com soluções de saúde e segurança. Por causa do compromisso da SCI em defender, pesquisa e fortalecimento da capacidade, os apoiantes do SCI capacitam uma rede global forte e fornecem muitos recursos online, acessíveis a qualquer momento. 5. Cozinhar solar reduz o impacto ambiental, salvando vidas. Relatórios como o artigo do The New York Times "New Research Links Air Poluição Aérea Altas Taxas de Morte de Coronavírus" sugerem uma correlação entre níveis de poluição atmosférica e mortes por complicações devido ao COVID-19. Usando soluções de culinária solar limpas e sustentáveis A água pasteurização reduz a poluição atmosférica de cozinhar com lenha ou carvão. 6. Cozinhar solar é acessível em casa. Com mais pessoas em casa durante o dia, tomando precauções como abrigo no lugar, cozinhar solar é uma forma muito fácil de preparar refeições enquanto ainda realiza tarefas essenciais de trabalho. 7. A tecnologia de culinária solar é usada para secagem solar e aumenta a segurança alimentar preservando alimentos. 8. Cozinhar solar pode pasteurizar água e matar bactérias. Fogões solares podem ser usadas durante emergências quando outros recursos como água doce e fontes de energia podem não estar disponíveis. Isto também reduz a co-morbidade reduzindo o número de doenças (água e transportadas no ar) que o sistema imunitário de uma pessoa pode precisar de lutar imediatamente. 9. O seu apoio à culinária solar pode ajudar a crise atual e a construir uma futura resiliência. 10. Onde você pode comprar seu fogão solar www.solmeiodia.com.br

O Fogão Solar

 Infelizmente o Brasil – país tropical - não aproveita a fonte inesgotável – a energia solar. Em países da Ásia e África, os governos têm incentivado o uso pela população do fogão solar, para diminuir o consumo de lenha e causar menor impacto ambiental. A energia solar é abundante, limpa e ecologicamente correta. Na China estima-se que existem mais de 500.000 fogões solares parabólicos em uso.

POPULARIZAÇÃO DO FOGÃO SOLAR

O emprego do fogão solar como uma alternativa energética na cocção dos alimentos e atualmente uma alternativa ecologicamente importante e correta, sabe-se hoje que cerca de dois terços da população mundial ( 3 bilhões de pessoas), dependem diariamente de lenha para satisfação de suas necessidades energéticas direcionadas para a utilização domiciliar ( cocção de alimentos e aquecimento). Isto representa nos dias atuais um desmatamento anual das florestas tropicais da ordem de 25.000 a 30.000 Km2. Esta ocorrência se dá exatamente entre as populações que habitam as regiões tropicais, portanto em áreas propícias ao uso da energia solar onde a incidência solar chega, em alguns casos, a um potencial de 1 Kw/m2.

 VANTAGENS DO USO DO FOGÃO SOLAR

A principal vantagem do uso do fogão solar é a disponibilidade de energia gratuita e abundante, além da ausência de chamas, fumaça, perigo de explosão, incêndios etc. A energia calorífica concentrada na zona focal do fogão é suficiente para fornecer as calorias necessárias à ebulição da água, cozinhar, assar, fritar, aquecer alimentos etc.

O uso sistemático do fogão solar somente trará benefícios para o usuário, principalmente os de baixa renda que habitam as zonas rurais. Por outro lado a sua frequente utilização representa uma contribuição inestimável a fauna e a flora, hoje tão comprometidas com o desmatamento inconsequente e predatório na busca de lenha, gravetos e materiais outros destinados a produção de energia térmica.

O emprego da energia solar não apenas na cocção de alimentos mas ainda no aquecimento de água, secagem de produtos agropecuários etc, evidencia uma prática ecologicamente correta que não deve ser negligenciada.

 DESVANTAGENS DO USO DO FOGÃO SOLAR

O fogão exige para o seu funcionamento a presença da radiação solar direta, isto é, céu claro e muito pouca nebulosidade, já que trata-se de um sistema que opera segundo a reflexão desta radiação. O ideal é sol claro sem nuvens, mas também consegue-se cocção com poucas nuvens . Não é aconselhado cocção  com céu nublado.

 

O USO DE FOGÕES SOLARES

No Brasil, as melhores regiões são o nordeste, centro-oeste, sudeste, norte. A região sul tem menor desempenho, mas é possivel utilizar fogão solar.

A utilização do fogão solar nas áreas potencialmente propícias dar-se-á praticamente durante todo o dia sendo o intervalo correspondente entre 9 e 16 horas o que melhor se adequa à sua utilização. No verão o rendimento é maior, e no inverno é possível cozinhar, mas com menor rendimento.

A partir de 1950 é que os fogões solares começaram a ser estudados, com apoio das Nações Unidas e muitas organizações não governamentais. Estes estudos apontam que os fogões solares bem construídos cozinham bem e são fáceis de serem construídos, a custos acessíveis. Muitos programas foram criados para a difusão desta tecnologia principalmente em países pobres da Ásia e África, refugiados de guerras civis, em regiões desertificadas. Um exemplo é a organização Solarcookers International - www.solarcooking.org 

Por que a cozinha solar é importante


 cozinha solar é a maneira mais simples, segura e conveniente de cozinhar alimentos sem consumir combustíveis ou aquecer a cozinha. Muitas pessoas optam por cozinhar solar por esses motivos. Para centenas de milhões de pessoas em todo o mundo que cozinham sobre fogueiras alimentadas por madeira ou esterco, e que andam quilômetros para coletar lenha ou gastam grande parte de sua renda escassa em combustível, o cozimento solar é uma alternativa limpa e econômica.

Para milhões de pessoas que não têm acesso a água potável segura e ficam doentes ou morrem a cada ano de doenças evitáveis ​​transmitidas pela água, a pasteurização solar da água é uma habilidade que salva vidas. A Organização Mundial da Saúde relata que em 23 países, 10% das mortes são devidas a apenas dois fatores de risco ambiental: água insegura, incluindo falta de saneamento e higiene; e poluição do ar doméstica devido ao uso de combustível sólido para cozinhar. [1]

Veja os 25 países com maior potencial de cozimento solar .

Conteúdo

show ]

Benefícios para as famílias

Saúde e nutrição

Artigo principal: Benefícios de saúde do cozimento solar

Transporte de madeira do Nepal - McArdle 2008

Transporte de lenha no Nepal

  • Temperaturas de cozimento moderadas em fogões solares simples ajudam a preservar os nutrientes.
  • Aqueles que de outra forma não poderiam pagar o combustível para fazer isso podem cozinhar alimentos nutritivos - como legumes e muitos grãos integrais - que exigem horas de cozimento.
  • Às vezes, muitas famílias precisam trocar alimentos escassos por combustíveis para cozinhar. O cozimento solar pode ajudá-los a manter mais alimentos e melhorar sua nutrição.
  • Os incêndios por cozimento enfumaçado irritam os pulmões e os olhos e podem causar doenças. Os fogões solares são para não fumantes.
  • A fumaça do fogo é uma das principais causas do aquecimento global.
  • Os fogos de cozinha são perigosos, especialmente para crianças, e podem se espalhar facilmente se não forem contidos - causando danos a edifícios, jardins, etc. Os fogões solares são livres de fogo.
  • Milhões de pessoas rotineiramente andam por quilômetros para coletar lenha para cozinhar. Viagens pesadas de coleta de combustível podem causar ferimentos e expor as pessoas ao perigo de animais e criminosos. O cozimento solar reduz esses riscos e encargos e libera tempo para outras atividades. No campo de refugiados de Iridimi, no Chade , a necessidade de deixar o campo para recolher lenha foi reduzida em 86% com a introdução de dezenas de milhares de fogões solares ( modelo CooKit ).
  • Com boa luz solar, os fogões solares podem ser usados ​​para cozinhar alimentos ou pasteurizar a água durante emergências, quando outros combustíveis e fontes de energia podem não estar disponíveis.

Veja também

Economia

Artigo principal: Benefícios econômicos do cozimento solar

Alimentos versus carvão

Cada grupo de itens alimentares custa o mesmo que a pilha de carvão mostrada no meio. Ao usar um fogão solar, uma família pode usar o dinheiro economizado em combustível para comprar mais alimentos.

  • Muitas famílias atingidas pela pobreza em todo o mundo gastam 25% ou mais de sua renda em combustível para cozinhar. A luz solar - o "combustível" do fogão solar - é grátis e abundante. O dinheiro economizado pode ser usado para alimentação, educação, assistência médica etc.
  • Empresas de fogões solares podem fornecer renda extra. As oportunidades incluem fabricação, venda e reparo de fogões, além de empresas de alimentos solares, como restaurantes e padarias.
  • Até os residentes de países desenvolvidos podem economizar muito dinheiro com custos de cozinha e ar condicionado. Consulte Economia de custos com o cozimento solar .

Conveniência

Transportar

Mulheres coletando madeira para cozinhar.

  • A temperaturas moderadas de cozimento solar, os alimentos não precisam ser mexidos e não queimam - os alimentos podem simplesmente ser colocados em um fogão solar e deixados para cozinhar, sem supervisão, por várias horas, enquanto outras atividades são realizadas. Nas circunstâncias certas, é possível colocar um fogão solar de manhã e voltar para casa no final da tarde para uma refeição quente pronta para comer.
  • As panelas usadas para cozinhar solar são fáceis de limpar - um fato especialmente valioso para as pessoas que precisam percorrer muitos quilômetros para coletar água.
  • Muitos fogões solares são portáteis, permitindo o cozimento solar nos locais de trabalho ou durante atividades ao ar livre, como piqueniques, caminhadas ou acampamentos.

Outros usos domésticos de fogões solares

Artigo principal: usos não culinários

Canning Doug Edwards

Conservas solares

Benefícios para a saúde

Artigo principal: Benefícios de saúde do cozimento solar

  • A poluição  do ar pelas queimadas domésticas geralmente causa doenças respiratórias, responsáveis ​​por mais de sete milhões de mortes por ano. Os fogões solares são para não fumantes.
  • As doenças transmitidas pela água evitáveis ​​são responsáveis ​​por 80% de todas as doenças e mortes no mundo em desenvolvimento. Os fogões solares podem ser usados ​​no nível doméstico para  pasteurizar água e leite , tornando-os seguros para beber. A pasteurização usa aproximadamente metade do combustível que seria usado para obter a esterilização.
  • Muitos fogões solares podem ser usados ​​para desinfetar suprimentos médicos secos , como instrumentos médicos, ataduras e outros materiais de tecido, além de aquecer compressas.

Benefícios para o meio ambiente

Artigo principal: Benefícios ambientais do cozimento solar

  • Dois bilhões de pessoas dependem de madeira e carvão para cozinhar combustível. O cozimento solar alivia o conflito entre suas necessidades básicas e a necessidade de preservar as florestas cada vez menores da Terra.
  • Os fogos de cozinha alimentados a biomassa e petróleo poluem o ar e contribuem para o aquecimento global. Os fogões solares são livres de poluição e, quando usados ​​em grande número, podem ajudar a conter o aquecimento global e o escurecimento. Veja escurecimento global .
  • As cozinhas permanecem frias enquanto a comida solar cozinha ao ar livre. Isso reduz a carga de aparelhos de ar condicionado e geladeiras nos meses de verão, economizando combustíveis fósseis (e reduzindo as contas de serviços públicos).

Benefícios para as empresas

Oportunidades de negócios de fogão solar

Artigo principal: Desenvolvimento de negócios

Outros usos comerciais

  • Higienizar pratos e utensílios
  • Ferva palha de arroz para fazer papel
  • Extrato de cera de mel
  • Tecidos de tintura
  • Pasteurizar o solo de envasamento
  • Retire as cascas do grão de arroz

Artigo principal: usos não culinários

Veja também:

Benefícios para os governos

  • Reduzir importações e subsídios de biomassa e combustíveis fósseis.
  • Onde as florestas estão desaparecendo e muitas pessoas sofrem com a falta de combustível, os fogões solares reduzem as necessidades de lenha das famílias em 30 a 50%.
  • As empresas de eletricidade que têm problemas para atender à demanda nos horários de pico devido ao uso intenso de fogões e aparelhos de ar condicionado podem reduzir essa demanda promovendo o uso de fogões solares.

Benefícios para organizações humanitárias, de desenvolvimento e assistência

  • Abordar a escassez de combustível dos clientes que afeta a saúde, nutrição e educação locais.
  • Economias no orçamento para combustíveis de cozinha institucionais e situações de ajuda em desastres. Veja Campos de refugiados .
  • Em algumas regiões, a distribuição de biomassa e combustíveis fósseis é subsidiada pelas agências de ajuda. O amplo uso de fogões solares pode diminuir esses custos, para que mais pessoas possam se beneficiar desses fundos humanitários.
  • A cozinha solar atende a todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas .

Veja todas as organizações não-governamentais (ONGs) atualmente promovendo o cozimento solar .

Áudio e vídeo

  • Setembro de 2011:

Por que cozinhar Solar - Energia Solar Doméstica

Por que cozinhar Solar - Energia Solar Doméstica

Louise Meyer, da Solar Household Energy, defende o cozimento solar neste vídeo.

 

Solar Cookers International Network (Home)

 

 

Estimativas de Economia pelo Uso do Cozimento Solar

O estudo (fórmula) a seguir foi criado como um meio de estimar quantos dólares são economizados durante os meses de verão devido ao uso do fogão solar.

Para completar esse estudo, nós precisamos fazer algumas considerações básicas sobre os tempos de cozimento (todos os tempos são baseados nas médias observadas no Arizona). Para o propósito desse estudo, uma refeição completa é um prato principal (carne, peixe ou ave),arroz, vegetais cozidos ou outro prato secundário. Nós assumimos que um tempo médio de duas horas para o forno e uma hora para o fogão é suficiente para cozinhar toda a comida.

O prato principal (carne, peixe ou ave) seria então uma refeição parcial e requereria apenas duas horas de cozimento no forno.

O prato secundário (algo feito no fogão) seria igual a uma hora de tempo de cozimento.

Biscoitos ou um lanche iria requerer meia hora de cozimento.

Com essas definições, preencha a seção abaixo baseado na sua experiênca com seu fogão durante os meses de junho, julho e agosto. Ou, se você não tem um fogão solar, preencha a seção abaixo para ver quanto dinheiro você poderia economizar cozinhando com o sol durante o verão.

Quantas refeições completas você cozinhou? ________

Quantas refeições parciais você cozinhou? ________

Quantos pratos secundários você cozinhou? ______

Quantos lanches você cozinhou? ______

A fórmula que nós usaremos para determinar quanta energia você economiza é baseada em quantas horas você deixa de usar seu forno ou fogão comum (horas de cozimento evitadas). A quantidade de tempo que você gasta no cozimento solar não entra nessa equação.

Usando os números preenchidos anteriormente para a quantidade de vezes que você cozinha os quatro tipos de refeição, multiplique o número de refeições pelo número de horas de forno ou fogão de cada categoria. Esteja certo de computar o tempo de forno em separado do tempo de fogão.

__ (número de refeições completas) x 2,0 horas de forno = ___ horas de forno não usadas;

__ (número de refeições completas) x 1,0 hora de fogão = ____ horas de fogão não usadas;

__ (número de refeições parciais....) x 2,0 horas de forno = ___ horas de forno não usadas;

__ (números de pratos secundários) x 1,0 hora de fogão = ____ horas de fogão não usadas;

__ (números de lanches..................) x 0,5 horas de forno = ___ horas de forno não usadas.

Como os elementos que aquecem o forno e o fogão ficam ligando e desligando a eletricidade para manter determinada temperatura, a energia não é consumida durante todo o tempo de cozimento. Aqui nós vamos fazer outra suposição e assumir que cada elemento usa eletricidade apenas metade do tempo (outras fórmulas que têm sido publicadas não incluem esse passo e por isso os resultados são duas vezes maiores). Adicione todas as horas em que o forno não é usado e divida este número pela metade. Faça o mesmo com as horas calculadas para o fogão.

___ total de horas em que o forno não é usado (refeição inteira, parcial e lanches) dividido por 2 = _____

___ total de horas em que o fogão não é usado (refeição inteira, pratos secundários) dividido por 2 = _____

Pegue o número de horas em que o elemento de aquecimento do forno e fogão não é usado e coloque na seguinte equação:

{quantidade de horas de uso do forno evitadas x 3,2 kW + quantidade de horas de uso do fogão evitadas x 1,2 kW} = _____kWh

Esta equação permite a você determinar o número de quilowatts-horas que você economiza. Para calcular quanto dinheiro isso vale você deve agora pegar esse número e multiplicar pelo valor do quilowatt-hora. No Arizona a taxa é de US$0,10 por kWh. Então, o próximo passo é pegar o número de quilowatt-horas economizados e multiplicar pelo custo.

_____kWh x US$0,10/kWh = US$ _____

Se você tiver ar condicionado, você ganha economia adicional. Estima-se que para cada dólar que você gasta na cozimento (forno ou fogão), um gasto adicional de US$0,50 é requerido para refrigerar e desumidificar o ar condicionado doméstico. Os fogões solares não apenas não usam gás ou eletricidade como também não aquecem a casa. A fórmula a seguir determinará quantos dólares você economiza (em cozimento e aquecimento). Pegue o valor economizado devido ao cozimento solar no primeiro formulário e multiplique por 1,5. O número 1,5 representa os US$0,50 no custo de refrigeração de cada dólar gasto no cozimento. A resposta é a quantidade de dinheiro economizada neste verão devido ao cozimento solar.

US$ _____ x 1,5 = US$ ______

Essa é a quantidade que você poupa devido ao cozimento solar no verão passado. Entretando, essa fórmula não pode ser aplicada ao cozimento solar no invero, porque o calor do forno e do fogão poderiam realmente abaixar sua conta de aquecimento.


Mande-nos sua estimativa de economia no email: jima@ep.state.az.us

 

Tecnologias dos setores energético, edificações e resíduos

17h10min às 17h35min Energia solar fotovoltaica em reservatórios/Fogões solares/Aproveitamento energético da vinhaça e resíduos agrícolas Professor Pedro Rochedo (COPPE/UFRJ)

 17h35min às 18h00min Recebimento de considerações dos especialistas e membros permanentes das Câmaras Setoriais de Energia, Edificações e Resíduos Especialistas e membros permanentes das Câmaras Setoriais de Energia, Edificações e Resíduos; Professor Pedro Rochedo; Régis Rathmann

 

INTRODUÇÃO

 O projeto TNA_BRAZIL é executado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC em parceria com a ONU Meio Ambiente, com apoio financeiro do Fundo Verde para o Clima (GCF). Tem por objetivo estabelecer consenso nacional para elaboração de Plano de Ação Tecnológica (TAP), considerando setores prioritários e tecnologias-chave para o cumprimento das metas de mitigação, levando em consideração a Contribuição Nacionalmente Determinada do Brasil (NDC) e a Estratégia Brasil para o GCF. Na primeira etapa deste estudo, a partir de um processo de engajamento de especialistas das Câmaras Setoriais e formuladores de políticas públicas, foram selecionadas tecnologias prioritárias para subsidiar o cumprimento das metas brasileiras de mitigação de GEE, em conformidade com a NDC e com a estratégia Brasil para o GCF (primeira etapa do Projeto TNA_BRAZIL). Tabela 10:

 

 

A partir da referida priorização, inicialmente fez-se uma análise das cadeias de valor nacional e entraves à implementação das tecnologias priorizadas do setor. Posteriormente, foi realizada uma análise qualitativa dos cobenefícios econômicos, sociais, físicos (ambientais e de saúde), institucionais e tecnológicos decorrentes da implementação das tecnologias. A partir da validação dessa análise, será elaborado o Plano de Ação Tecnológico para cada tecnologia priorizada, que definirá a escala e o escopo de projetos pilotos 27 emblemáticos para superar as barreiras identificadas e permitir a difusão da tecnologia no Brasil. Portanto, este relatório tem dois objetivos. Primeiramente, visa-se elaborar uma cadeia de valor para cada tecnologia, considerado suas diferentes fases e as etapas a elas associadas. Em seguida, são identificadas as principais tecnologias que compõem a cadeia de valor da tecnologia. Utilizando de revisão bibliográfica e entrevistas realizadas com especialistas de cada área, são identificados os nós críticos para o desenvolvimento das tecnologias endogenamente. As barreiras, por sua vez, são identificadas e classificadas em cinco diferentes naturezas: técnicas, de mercado, econômicas, institucionais e culturais. A tipologia de barreiras consideradas neste estudo é descrita na Tabela 11.

Por fim, são avaliados os cobenefícios das tecnologias, que estão associados aos efeitos benéficos gerados por sua adoção que vão além de seu 28 propósito original. Os cobenefícios podem ser de natureza econômica, energética, social e ambiental, conforme tipologia descrita na Tabela 12.

A partir da referida priorização, tem-se a seguir uma análise das cadeias de valor nacional, estágio atual de desenvolvimento e/ou difusão tecnológica e barreiras e cobenefícios da implementação das tecnologias priorizadas no setor de Afolu. Por fim, cumpre destacar que os resultados descritos a seguir passarão por uma etapa de discussão e validação com stakeholders das Câmaras Setoriais e Comitê Técnico Consultivo do Projeto TNA_BRAZIL.

Cadeia de valor e nós críticos dos fogões solares Fogões solares foram selecionados como medida de mitigação para o setor de edificações, tendo em vista seu potencial de redução de gases poluentes e de efeito estufa em zonas rurais e localidades isoladas, caracterizadas pela cocção a partir de biomassa tradicional. O desenvolvimento desta tecnologia contribui com a saúde da população, estimula a criação de novas atividades econômicas e, potencialmente, se constitui em driver para reduzir o desmatamento. Entretanto, a dependência de condições climáticas e a impossibilidade de uso no período noturno implica na adoção de sistemas adicionais aos fogões de forma a possibilitar seu uso contínuo. A cadeia de valor dos fogões solares foi dividida em 4 fases principais (Figura 7), sendo: insumos, preparação e uso final. 16 Figura 7: Nós críticos da cadeia de valor dos fogões solares Fonte: Elaboração própria Barreiras e cobenefícios ao/do desenvolvimento e/ou difusão das tecnologias priorizadas Na etapa seguinte, inicialmente foi realizado um mapeamento das barreiras à implementação das tecnologias que necessitam ser superadas por meio de Plano de Ação Tecnológica (tabelas abaixo).

 

7. Fogões Solares

7.1. Descrição da tecnologia Fogões solares são dispositivos que promovem o cozimento de alimentos a partir da energia captada pela luz solar (NETO, 2011). A maioria dos fogões solares básicos alcança temperaturas de aproximadamente 170°C. A radiação solar capturada passa por um compartimento, que funciona como uma estufa, localizado ao redor de uma panela. Ao atingir a superfície da panela, a radiação solar é convertida em calor e promove seu aquecimento. Sua eficiência é função da área refletora disponível no compartimento e a capacidade deste em funcionar como uma estufa, isolando o calor para o aquecimento da panela (SCI, 2019). Com o conhecimento básico dos princípios da energia solar e acesso a materiais simples, como papelão, alumínio e vidro, pode-se construir fogões solares eficientes. Fogões solares podem ser classificados de acordo com a sua estrutura, método de cocção e tipo de estocagem de energia (quando houver). Em relação à estrutura são classificados em três tipos básicos: fogão do tipo caixa, fogão tipo painel e fogão parabólico (ou concentrador). De acordo com o método de cocção (ou a forma como a energia térmica é utilizada), fogões solares são divididos em duas categorias: direto ou indireto (ARAMESH et al., 2019; SCI, 2019). Ademais, fogões solares podem ser equipados com um componente para estocagem de energia térmica e, neste caso, são classificados em calor latente ou calor sensível (ARAMESH et al., 2019). Diversos fatores influenciam a performance dos fogões solares e estudos vêm sendo elaborados acerca desta tecnologia. (ARAMESH et al., 2019; SIBIYA; VENUGOPAL, 2017; WATKINS et al., 2017). Fogões solares do tipo parabólicos são considerados mais eficientes e também de maior custo de fabricação. A implementação de unidades para estocagem de calor aumenta a eficiência dos fogões e permite a utilização destes em diferentes momentos do dia, mesmo quando a energia solar não estiver disponível (ARAMESH et al., 2019). Alternativamente, a integração destes fogões com dispositivos externos vem 136 sendo estudada. Por exemplo, a integração de painéis fotovoltaicos, conectados a aquecedores elétricos adicionam energia térmica extra ao fogão. Ainda, a energia elétrica produzida pode ser estocada em uma bateria para uso posterior. Acredita-se que este modelo inovador seja capaz de cozinhar até cinco refeições por dia (JOSHI; JANI, 2015). Todavia, a adição de tais equipamentos aumenta os custos dos fogões, podendo inviabilizar sua aplicação (ARAMESH et al., 2019). O desenvolvimento dos fogões solares no Brasil tem como foco de aplicação as regiões isoladas e zonas rurais, caracterizadas pela elevada pobreza e fome, onde não existe acesso às alternativas modernas de cocção como os fogões elétricos ou a gás. Nestas localidades, a biomassa tradicional representa a única possibilidade de combustível acessível para a cocção, que é adquirida a partir da compra (se houver comércio local) ou da coleta diretamente da natureza. Neste contexto, o presente trabalho se dedica à avaliação dos fogões solares e seleção de alternativas tecnológicas associadas como forma de substituir os fogões a lenha utilizados nestas regiões, que provocam malefícios à saúde da população e o desmatamento. 7.2. Cadeia de valor Neste contexto, a cadeia de valor associada aos fogões solares pode ser dividida em três blocos: insumos, operação e utilização

 (Figura 32). 137 Figura 32: Cadeia de valor da tecnologia de fogões solares e os nós críticos associados Fonte: Elaboração própria

 O processo de cocção nestes dispositivos começa pela captação da irradiação solar. A intermitência desta fonte energética faz com que esta tecnologia não esteja disponível de forma contínua e requer a complementaridade com outras alternativas de cocção ou a instalação de equipamentos para estocagem de energia. A escolha do tipo de fogão a ser utilizado depende do local em que será aplicado e determina a seleção de materiais para sua fabricação. Na etapa de preparação, dois elementos estão associados à cadeia de valor: a comercialização dos fogões e o treinamento das pessoas que o forem utilizar. Embora os fogões solares ainda não sejam produzidos em escala e não possuam um mercado e estrutura de distribuição, sua comercialização não foi considerada como um nó crítico, uma vez que este pode ser fabricado com materiais acessíveis e de baixo custo. Todavia, o treinamento de pessoal para utilização requer a aceitação da tecnologia por parte da população, o que implica na mudança de padrões culturais, rotina e até mesmo no sabor dos alimentos. Por fim, a etapa de uso final da cadeia de valor dos fogões solares abrange diferentes aspectos que caracterizam sua utilização, como o tempo de cocção dos alimentos, a técnica utilizada e a flexibilidade de uso. O processo de cozimento nos fogões solares requer mais tempo que nos fogões a lenha, 138 elétricos e a gás, devido às menores temperaturas alcançadas. Dependendo do tipo escolhido, o procedimento deve ocorrer em áreas externas, o que pode ser trabalhoso para refeições que precisam ser preparadas em muitos estágios. Ademais, o usuário deve guardar o equipamento em ambientes fechados quando não estiver em utilização. A dependência das condições climáticas e disponibilidade de irradiação solar suficiente para o funcionamento dos fogões solares diminui sua flexibilidade de utilização. Ainda, tendo em vista que estes fogões não atingem temperaturas elevadas, não são adequados para alguns tipos de alimentos. 7.3. Análise da situação atual Diante da elevada disponibilidade do recurso solar no Brasil, os fogões solares possuem grande potencial de aplicação no país em substituição à biomassa convencional como combustível para cocção em regiões isoladas e caracterizadas pelo baixo poder aquisitivo da população. Ademais, sua viabilidade técnica e econômica torna seu potencial de implementação ainda mais expressivo no país. Todavia, tal tecnologia é pouco conhecida e utilizada no Brasil. Experiências no país se restringem à aplicação de projetos piloto, conduzidos em grande parte por pesquisas universitárias (GONÇALVES, 2018). Estes equipamentos poderiam ser fabricados em escala a partir de investimentos mais expressivos em pesquisas. Porém, os estudos desenvolvidos geralmente se deparam com o desinteresse político, industrial e até mesmo acadêmico. Isto ocorre, pois, as tecnologias sociais tendem a possuir baixa atratividade econômica. E, por consequência, a falta de incentivos muitas vezes desmotiva a continuidade de pesquisas nessa área. Mesmo assim, algumas universidades, empresas e organizações se dedicam ao desenvolvimento da tecnologia no Brasil. A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRJ) possui projetos de fabricação de diferentes modelos de fogão solar (GONÇALVES, 2018). A empresa FogãoSolar.net produz e comercializa os produtos (FOGAO SOLAR, 2019). A Sociedade do Sol, é uma 139 organização sem fins lucrativos que investe em projetos de aplicação da energia solar em edificações (SOCIEDADE DO SOL, 2013). 7.4. Pontos críticos identificados na cadeia de valor Com base na pesquisa literária e nas entrevistas realizadas com os atores setoriais, foram identificados os nós críticos da cadeia de valor da tecnologia fogões solares, os quais estão ressaltados em azul na (Figura 33)

 

A cadeia de valor dos fogões solares começa a partir da captação da irradiação solar por estes equipamentos. A intermitência desta fonte energética impede o uso contínuo dos fogões e requer a disponibilidade de outras alternativas de cocção ou de equipamentos para estocagem de energia. Por este motivo, a irradiação solar foi considerada como nó crítico neste primeiro bloco da cadeia de valor (Figura 33). Na etapa de preparação, o treinamento foi considerado como um nó crítico da cadeia de valor, devido à resistência à aceitação da tecnologia por parte da população, associada à necessidade de mudança de padrões culturais, rotina e até mesmo alterações no sabor dos alimentos (Figura 33). 140 Por fim, na etapa de uso final da cadeia de valor dos fogões solares três nós críticos foram identificados: o tempo de cocção, a técnica e flexibilidade (Figura 33). O tempo de cocção é considerado um nó crítico, pois o processo de cozimento nos fogões solares requer mais tempo, devido às menores temperaturas alcançadas. A técnica de cocção também foi considerada como um nó crítico pois, dependendo do tipo de fogão escolhido, o procedimento deve ocorrer em áreas externas e pode ser trabalhoso para o preparo de refeições que requerem muitos estágios de preparação. Por fim, a flexibilidade foi considerada como um nó crítico tendo em vista a dependência das condições climáticas, da disponibilidade de irradiação solar suficiente para o seu funcionamento e a sua não adequação para cocção de certos alimentos. 7.5. Barreiras De forma a identificar as barreiras para o desenvolvimento dos fogões solares no Brasil, foram realizadas pesquisas bibliográficas e entrevistas com atores setoriais. A seguir, são detalhadas as barreiras identificadas para a aplicação de fogões solares no Brasil, com as categorias propostas na Tabela 11. Técnicas • Degradabilidade dos materiais: A fabricação de fogões solares a partir de materiais simples e de baixo custo, como papelão, por exemplo, acrescenta desafios técnicos associados à sua durabilidade. O tipo de fogão utilizado, a cocção em áreas externas, o contato com água e a necessidade de realocação16 podem danificá-los e reduzir sua vida útil. Tal barreira associase ao nó crítico “técnica de cocção” identificado anteriormente. • Baixa temperatura e espaço limitado: Fogões solares exigem maior tempo de cocção por alcançarem menores temperaturas se comparados a fogões a lenha. Adicionalmente, limitam a quantidade de comida a ser preparada pois, dependendo do tipo, só é possível utilizar uma panela de cada vez. 16 Os usuários precisam mover o fogão de local para cozinhar em áreas externas. Fora de uso, devem ser guardados em ambientes fechados. 141 Neste contexto, estas barreiras se relacionam aos nós críticos “Tempo de cocção” e “Técnica de cocção”, e indicam a necessidade de avanços tecnológicos para o desenvolvimento de modelos mais eficientes, que permitam a cocção simultânea de diferentes alimentos e o alcance de temperaturas mais elevadas. Mercado • Ausência de mercado e baixa lucratividade: A baixa expectativa de remuneração com projetos de fogões solares é uma barreira que desestimula o desenvolvimento de sua cadeia produtiva. Isto porque, além de ser uma tecnologia destinada à população de baixa renda e que não poderia arcar com modelos mais inovadores (que poderiam ter maior margem de lucro associado), existe pouca demanda e conhecimento sobre a tecnologia (CHOWDHURY et al., 2018). Embora esta barreira seja relevante para o desenvolvimento de fogões solares, não está diretamente associada a nenhum nó crítico identificado na cadeia de valor. Econômicas • Custos relativos: Embora fogões solares possam ser fabricados com materiais simples, estes ainda apresentam custo superior se comparado à biomassa tradicional utilizada como combustível para cocção, que pode ser extraída diretamente da natureza não tendo, portanto, um valor comercial. Todavia, em algumas localidades, tais combustíveis são comercializados e representam grande parte das despesas familiares. Esta barreira não está associada diretamente a um nó crítico da cadeia de valor, mas é relevante para o desenvolvimento da tecnologia, sobretudo em zonas rurais e localidades isoladas habitadas por população de baixa renda. • Custos de equipamentos adicionais: Alternativas mais inovadoras, equipadas com tecnologias de armazenamento de energia e painéis fotovoltaicos, por exemplo, solucionam os problemas associados à dependência climática e autonomia dos fogões solares, mas resultam em um aumento considerável de custos (ARAMESH et al., 2019). Neste 142 contexto, esta barreira econômica relaciona-se aos nós críticos “autonomia” e “irradiação solar”, definidos anteriormente. Institucionais • Falta de apoio institucional: A falta de suporte de diversas instituições (governos, ONGs e empresas, por exemplo) é uma barreira que impede a disseminação de conhecimento sobre fogões solares e seus benefícios. Por se tratar de uma tecnologia com aplicação potencial em regiões caracterizadas pela extrema pobreza e fome, necessita-se conscientizar a população sobre os problemas associados à cocção à lenha e estimulando a mudança de padrões culturais. Desta forma, o apoio destas instituições é fundamental a aceitação da tecnologia. Neste sentido, esta barreira está relacionada com o nó crítico “Capacitação”. Culturais • Resistência cultural: A resistência à adoção de fogões solares por parte da população é uma das barreiras mais críticas desta tecnologia. Fogões solares requerem ajustes na rotina familiar, alteração dos métodos de cocção e adaptação às possíveis mudanças no sabor e textura dos alimentos. Somando-se às questões culturais, a falta de familiaridade com o princípio de funcionamento destes equipamentos gera inseguranças operacionais nos usuários. Desta forma, existe uma resistência à aceitação da tecnologia e desinteresse no aprendizado, o que dificulta sua aplicação (ARAMESH et al., 2019; BAPTISTA et al., 2003; CHOWDHURY et al., 2018). Neste cenário, as barreiras culturais se associam ao nó crítico “Capacitação” da cadeia de valor. 7.6. Cobenefícios Esta seção apresenta os principais cobenefícios associados à utilização de fogões solares. Analogamente às barreiras, estes benefícios foram identificados a partir de pesquisas na literatura existente e entrevistas com atores setoriais. Os cobenefícios foram agrupados nas categorias indicadas na Tabela 143 12. A seguir são detalhados por categoria os cobenefícios associados ao uso de fogões solares. Econômicos • Geração de renda: A utilização de fogões solares aumenta o tempo disponível dos usuários para exercer atividades remuneradas, uma vez que estes tipicamente despendem muito tempo na coleta de combustível. Por outro lado, mesmo em regiões com determinado acesso a biomassa tradicional, esta é muitas vezes custosa e não acessível para famílias de baixa renda. Neste contexto, fogões solares se apresentam como uma alternativa de baixo custo, reduzindo as despesas familiares com combustível. Adicionalmente, representam uma oportunidade de negócio para empreendedores, gerando renda pela criação de novos produtos, linhas de produção e distribuição. • Redução de gastos com saúde pública: A utilização de biomassa tradicional como combustível para cocção expõe usuários ao contato com poluentes atmosféricos e gases tóxicos que provocam diversos malefícios à saúde. Desta forma, sua substituição por fogões solares contribui com a saúde e qualidade de vida dos usuários, potencialmente reduzindo despesas governamentais com tratamentos médicos. Energéticos • Energia renovável e segurança energética: Fogões solares utilizam uma fonte de energia renovável e limpa para cocção. Podem assim contribuir para redução de pobreza energética em localidades rurais e isoladas onde, muitas vezes, a falta de acesso à energia provoca fome e propagação de doenças. Sociais • Benefícios à saúde humana: A utilização de fogões solares em substituição à biomassa tradicional como combustível para a cocção reduz a exposição de usuários aos poluentes atmosféricos e gases tóxicos que provocam 144 doenças respiratórias. Ademais, reduzem a ocorrência de acidentes provocados pelo contato com fogo e incêndios em residências. • Empreendedorismo social: A utilização de fogões solares estimula empreendedores locais no engajamento em projetos de sustentabilidade e com relevante impacto social. • Geração de emprego: Fogões solares permitem a geração de empregos e promovem a educação da população. Isto ocorre devido ao estabelecimento de novas cadeias produtivas e necessidade de capacitação dos usuários. Ademais, permitem a disseminação da informação sobre sustentabilidade, alternativas energéticas, energia renovável e benefícios à saúde. • Redução da fome: A possibilidade de utilizar uma fonte renovável, amplamente disponível e de baixo custo para cocção, gera economia para famílias que vivem em condições de extrema pobreza. Tais recursos podem ser destinados à aquisição de alimentos, reduzindo a fome nestas localidades, além de outros bens também. Ambientais • Redução da emissão de poluentes atmosféricos e GEE: Ao substituir a biomassa tradicional utilizada para cocção, fogões solares contribuem com a redução de poluentes atmosféricos, como óxidos de nitrogênio (NOx), material particulado (PM) e óxidos de enxofre (SOx), e gases de efeito estufa. • Redução do desmatamento: O uso contínuo de biomassa tradicional para cocção pode provocar o desmatamento em algumas localidades. Neste contexto, a utilização de fogões solares nestas localidades pode contribuir para a redução do desmatamento, evitando impactos climáticos globais e reduzindo riscos à biodiversidade.

 

 

 145 Referências Bibliográficas ARAMESH, M. et al. A review of recent advances in solar cooking technology. Renewable Energy, v. 140, p. 419–435, 2019. BAPTISTA, T. L. et al. A Market-Based Strategy for Introducing Passive Solar Ovens in Kenya. Michigan Business School, 2003. CHOWDHURY, T. et al. Barriers against the Development of Solar Cooker & its Solution Barriers against the Development of Solar Cooker & its Solution. n. December, 2018. JOSHI, S. B.; JANI, A. R. Design, development and testing of a small scale hybrid solar cooker. Solar Energy, 2015. NETO. Análise de desempenho de um fogão solar com parabola fabricada em material compósito. [s.l.] Universidade do Rio Grande do Norte, 2011. SCI. Introduction to solar cooking. Disponível em: . Acesso em: 9 maio. 2019. SIBIYA, B. I.; VENUGOPAL, C. Solar Powered Induction Cooking System. Energy Procedia, v. 117, p. 145–156, 2017. WATKINS, T. et al. Insulated Solar Electric Cooking – Tomorrow’s healthy affordable stoves? Development Engineering, v. 2, n. January, p. 47–52, 2017.

 

Sobre a loja

Venda FOGÃO e CHURRASQUEIRA SOLAR e #balaiodeguisar feito sob o SOL do BRASIL, fabricação, importação de produtos de cocção com luz solar como Fogão e Churrasqueira Solar, de cozimento lento sem fogo como #balaiodeguisar, #bolsadeguisar, #caixadeguisar , acessórios solares e de guisar e educação e produção de conteúdo digital e impresso sobre para cocção solar e guisar. Fabricação, importação e vendas de produtos para a sua alimentação feita com energia limpa renovável e baixa ou sem emissão de CO2.

Pague com
Selos
  • Site Seguro

Pedro Rocca - CPF: 050.967.791-65 © Todos os direitos reservados. 2021